sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Capitulo 54 - A Vitóriazinha.

Quando a ambulância leva Ana Rita e Ruben, o copo de agua acaba automaticamente.
Os amigos mais próximos seguem a ambulância até ao hospital, e o resto dos convidados vão para casa.
No Hospital:

Médico - A sua filha vai só ficar na incubadora uns minutos, e a sua mulher está a ser cosida...

Ruben - (interrompe) cosida? na...

Médico - Claro... por onde é que acha que saiu o bebé? Pelo mesmo sitio por onde o fez...

Rita - não ligue doutor.... é da emoção

Médico - continuando... Daqui a meia hora vá ter ao quarto A5, que eu vou lá ter para falar com vocês. até já (afasta-se)

Ruben - que simpático! --'

Meia hora depois, como combinado, Ruben dirige-se ao quarto A5 para ir ter com a mulher.

Ruben - Ritinha. Amor! Estás bem? (beija-a apaixonadamente)

Ana Rita - Sim, estou  bem.

Chega o médico.

Médico - Boa noite... outra vez.

Ruben e Ana Rita - Boa noite.

Médico -. Tenho umas coisinhas para vos dizer.

Ruben - E a Vitória?

Médico - O senhor é muito impaciente, não é? .... é do benfica -.- só podia! (Sussurra)

Ruben - disse alguma coisa?

Médico - nao nao...a enfermeira já vem trazer a bebé. Como eu estava a dizer, Primeiro, Ana Rita, tem que ter muito repouso e cuidado para poder sarar.
Segundo, nao vao poder ter relaçoes sexuais até sarar.

Ruben - E isso é para muito tempo?

Ana Rita - Ruben??!! (Ruben olha para ela e mexe os labios dizendo: '' O que foi?'' )

Medico - dois meses.

Ruben - 2 MESES??!! óh Rita!

Ana Rita - Vais ter que te arranjar sozinho! (ri)

Ruben - Ou nao... (levanta e baixa as sobrancelhas)

Ana Rita - Ruben, o doutor...

Ruben -ah... Doutor... ainda está aqui? Qué que estava a dizer?

domingo, 28 de novembro de 2010

Capitulo 53 – O Dia R.(parte II)


Ela entra na igreja e os olhos de Rita enchem-se de lágrimas. David abraça-a e Ruben fica estático a olhar para a noiva, a poucos minutos de se oficializar uma senhora Amorim.
Ela chega ao pé de Ruben, e ele dá-lhe um beijinho na testa e outro na sua barriga gigante.
Não há muitas diferenças do casamento de Rita com David. Apenas desta vez não havia distracções nem o Ruben a mandar boquinhas, porque desta vez do próprio ser atingido pelas bocas. Mas como David é um homem muito educado e mais pacifico que o melhor amigo, decidiu ficar caladinho.
Depois do casamento dirigiram-se para o mesmo local de copo de agua de onde foi outro casamento.
O David tinha que se vingar da partida que lhe pregaram, por isso Javi, Luisão e David levam Ruben para a casa de banho e tiram-lhe a roupa interior.
Ainda não tinham acabado, quando Rita corre para a casa de banho a chamar Ruben.

Rita – RUBEN!! DAVID!!! DESPACHEM-SE! AS ÁGUAS DA RITINHA REBENTARAM!

Ruben sai da casa de banho com as calças na mão (ainda de boxers)

Ruben – O QUÊ?!

Veste as calças e correm todos para Ana Rita.

David – Cê tá bem? (com a mão na barriga de Rita)

Rita – Sim. O nosso ainda demora um bocadinho a nascer

Chegam ao pé de Ana Rita, que está no chão da pista de dança, a gritar, cheia de contracções.
Ruben ajoelha-se ao pé dela e dá-lhe a mão.

Ruben – Amor… Calma…  Vamos chamar a ambulância.  ALGUEM CHAME UMA AMBULÂNCIA!!!

David – Eu chamo. (pega no telemóvel e liga) Eles estão a vir.

Ana Rita – Ruben… Dói tanto!! Eu não vou conseguir!

Ruben – vais vais!! Calma.

Ana Rita gritava com muitas contracções. Já passava meia hora e a ambulância não chegava.

Ana Rita – Aiiii Ruben. Arranja alguém. Vai ter que nascer aqui. Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!

Ruben – Aqui??!! Ai ai.. ai ai.. ai aiiii!! O que é que eu faço agora?!

David – Calma. Deve haver aqui algum médico… É ISSO!! MATIEE??! ONDE CÊ ESTÁ?

Matilde – Estou aqui David.

Ruben – Tens que fazer o parto.

Matilde – Eu? Fazer o parto? Está bem. Rita, eu não vou conseguir…

Rita – Claro que vais. Vá, eu vou buscar um coiso com agua quente e toalhas.

David – Vou eu buscar. Cê fica aqui.

Matilde ajoelha-se ao pé de Rita e agarra-lhe na mão.

Matie – Aninha… vais ter que ter força, ok?

Ana Rita – Sim… Estou pronta.

Ruben – Amor, como é que se vai chamar?

Ana Rita – Vitória?

Ruben – Claro. É lindo.

Chega David com as toalhas e o alguidar com água quente.

David – está aqui.

Matilde pega numa toalha e põe-na no chão o meio das pernas de Rita. Matilde tira-lhe as cuecas e já conseguia ver a cabeça do bebé.

Matilde – Aninha.. tens que fazer força ok? Já estou a ver a cabeça.

Ouvia-se as pessoas a comentar .

Ruben – PODEM FAZER POUCO BARULHO SE FAZ FAVOR??! AFASTEM-SE POR FAVOR.

Formou-se uma roda á volta daquilo e fez-se silencio.

Matilde – Aos 3. 1, 2, 3!!

Ana Rita gritava e fazia força. Matilde já agarrara na cabeça de vitória

Matilde – só mais um bocadinho. 1, 2, 3!!

Ana Rita – AHHHHHHHHHHHHHHHHH!!!!! 

Ouve-se um choro de bebé. Era a vitória. Tanto Ana Rita como Ruben choravam de felicidade.
Matilde embrulhou o bebé numa toalha e Ana Rita agarrou o bebé.
A ambulância chegou nesse momento.

Sr. Da ambulância – Quem é que está para ter o bebé.

David – chegou um bocadinho atrasado.

Imagens da casa do casal

Alguém me pediu se podia colocar algumas imagens da casa de David e Rita.
Depois de muita procura, encontrei umas que gostei.
Queria agradecer também pelos comentários e gostaria que continuassem a fazer criticas construtivas para que possa melhorar a fanfic.  Continuem a acompanhar a história.
Beijos
Diana =)



Sala de estar
Cozinha
Quarto do casal
Casa de banho do quarto de casal
Quarto de hóspedes
Casa de banho do quarto de hóspedes

Quarto do bebé

Casa de banho comum
Jardim




















Espero que tenham gostado, porque me deu muito trabalho =)

Capitulo 53 – O Dia R. (Parte I)

Dia 27 julho:


Passam-se 5 meses e meio, e muita coisa tinha mudado. A casa de Rita e David estava construída e já lá viviam. Javi e Marisa já tinham uma relação. Leonor já tinha a tal camisola e até o João já tinha falado com Romanella. Rita estava de 7 meses e meio e Ana Rita de 8 meses e meio. E era o Dia D. Ou o Dia R como Rita costumava chamar. Sim, o casamento de Ruben e Ana Rita.
Apesar de o bebé estar quase a nascer, o casamento ia ser realizado de qualquer maneira.
Tal como no dia do casamento de Rita, os rapazes dormiram em casa de Ruben, e as raparigas em casa de David, agora dos dois.
De manhã:

Rita – Estás linda!!

Ana Rita – a minha barriga está enorme!!

Ana Rita vestia um vestido branco, curto. Uns sapatos de salto brancos e tinha um véu até aos pés.

Rita – estás linda!!

Ana Rita – Estou tão feliz (acaraciando a barriga, em frente ao espelho)

Rita – estás nervosa?

Ana Rita – nada. Acho que o Ruben deve estar bem pior que eu.

Em casa de Ruben:

Ruben estava sentado ao pé da bancada da cozinha a comer bolas de Berlim. Já estavam arranjados e prontos a sair de casa. David vai ter com ele á cozinha arranjando melhor a gravata.

David – Estás pron… Ruben? Comendo? Vai ficar cheio de açúcar no casaco!! (com as mãos, sacode o açúcar que Ruben tinha deixado cair no casaco)

Ruben – é para acalmar os nervos (fala de boca cheia)

David – Ainda falava de mim. (Tira-lhe a comida da frente e puxa-o para o hall) Vamo…

Ruben – (respira fundo) qué que foi? Estou lindo na mesma não estou? Então vamos…

David olha para ele e sopra… agarra no seu telemóvel e nas chaves do carro e saem os dois, em direcção á Igreja.
Chegam á igreja e vão os dois para o altar (Desta vez os padrinhos eram ao contrário. David padrinho de Ruben, e Rita madrinha de Ana Rita).
Passam 10 minutos da hora prevista da chegada da noiva, e ruben estava completamente nervoso. David vê Rita a entrar na igreja e vai para o altar para ao pé deles.

Rita – Boa dia, brasileirinho (depois de tanto tempo, ela ainda continuava chamando-lhe aquilo)

David – bom dia, gatinha (dá-lhe um beijo) A Aninha?

Rita – vem ai.

Mal ela diz aquelas palavras, começa-se a ouvir a marcha nupcial, e Ana Rita entra na igreja acompanhada pelo seu pai.

Capitulo 52 – comunicado á famelga. (parte II)

Leonor – A Marisa??!! Ela já vai ver.

Rita – Leonor, não!

A irmã mais nova de Rita dirige-se ao pé de Javi e Marisa, que estavam aos beijos.

Leonor – (tosse) Com licença!

Javi – Hola, Leonor. cómo estás?

Leonor – Cala-te, seu espanhol! Danças-te comigo no casamento e agora andas enrolado com a actriz?

Javi fica sem saber o que dizer, tal como Marisa. David pega em Leonor ao colo e leva-a para o quarto. Senta-a na cama e ajoelha-se á frente dela com as maos nos joelhos.

David – Moleque, cê nao pode dizer essa coisas!

Leonor – oh cunhadinho… eu gosto tanto do espanhol. E ele dançou comigo… Ele é namorado na Marisa?

David – nao sei. Mas se for, você nao tem que por o seu narizinho ( coloca o dedo indicador na ponta do nariz dela) em coisa de adulto!

Leonor – Está bem. Então fazes-me um favor?

David – Diga

Leonor – Primeiro, quero a camisola do Javi… Segundo, Dás-me um abraço?

David – Vem cá, (abraçando-a) Prometo que te vou arranjar a camiisola do Javi. Mas cê tem de me prometer que se porta bem, garota.

Leonor – sim, eu porto.. Agora vamos, que eu quero comer.

Voltam para a sala e Leonor agarra na taça das batatas fritas e senta-se no sofá a ver os desenhos animados.
Passado um tempo, sentam-se todos á mesa e Rita serve o jantar. Depois da sobremesa, Rita e David levantam-se.

Ruben – Boa, Ritinha… Ainda bem que te levantas-te… passa-me aí mais mousse, sff.

Rita – Calma, que agora temos uma coisa a dizer. (ninguém lhe estava a ouvir) Pessoal?

David – (diz um bocado mais alto) Hey galera! Cala lá a matraca que agente tem uma coisa prá dizer.

Coentrão – Vão-se casar? Ah.. esquece… isso já aconteceu.

David – Como eu tava dizendo agente tem uma coisa para dizer… Mãe, pai, sogrinho… vão ser vovós!

João – Ma… ma… mana!! Vai sair uma caracoleta desta (aponta para David) da tua barriga??!!

Ficam todos muito contentes e abraçam o casal. Rita repara que a Dona Regina tinha até deixado fugir algumas lagrimitas.

Rita – (pega na mousse) Vá, toma lá, comilão! (entrega-lhe a mousse)

Ruben – Obrigado, Gorda.

Rita – já que tenho a fama, deixa-me ter o proveito. (agarra na mousse do Ruben e vai sentar-se a come-la)

Ruben – isso não vale!

David passa por ele e dá-lhe um calduço.

David – Agora vai você buscar, gordo.

Ruben - ahahah! Que engraçadinho, brazuca de meia tigela.

Depois de muita conversa, os convidados acabam por ir embora, já tarde. Rita vai acompanhar á porta Ana Rita e Ruben, pois foram os últimos a sair.

Ana Rita – não queres que eu te ajude a arrumar isto tudo?

Ruben – não, não quer. Tu vens para casa descansar!

Ana Rita – Oh Ruben! Mas…

Ruben – Mas nada… O brazuca (eleva a voz para que David ouça) ajuda.

David vai á porta ter com eles, já descalço. E abraça Rita por trás.

David – Ajudo sim.

Rita – Sim, o Ruben tem razão. Precisas de descansar.

Ana Rita – Eu não sou de porcelana… mas está bem. Já me doem os pés de andar com estes saltos.

Ruben – isso resolve-se (pega em Ana Rita ao colo) vá, até amanha.

Ana Rita – Ruben, põe-me no chão!!

Ruben – Cala-tee!!

Rita – Este já quer festa!!

Ana Rita – vá, até amanha (tenta-se despedir mais ou menos bem, mas Ruben estava a leva-la para o elevador)

Rita fecha a porta e vão os dois para a sala. Rita olha para o relógio digital que está na Box da Meo e reparou que era 1:38h.

Rita – já é tão tarde!

David – Arrumamos isto amanha. Vem… vamo deitar.

Põe o braço em cima dos ombros de Rita e leva-a para o quarto. Vestem o pijama e adormecem agarrados.

Capitulo 52 – comunicado á famelga. (parte I)


O casal chega a Portugal e a sua vida corre normalmente.
2 dias depois, a Rita vai fazer a sua primeira ecografia em que o medico lhe diz que está de dois meses de gestação.

Em casa:

Rita – Temos que dizer ás nossas famílias.

David – Podemos fazer um jantar. A sua família e a minha. E também os nossos amigos.

Rita – Que amigos?

David – Todos. A Rita, a Tixa, a Marisa, a Micá, o Ruben, o Javi, o Gustavo, o Roberto, o Nuno e o Rui.

Rita – Mas cá em casa? Há espaço para 19 pessoas?
David – Rita?! (com os olhos muito arregalados)

Rita – Credo! O que é que eu disse de mal?

David – Agente se esqueceu de arranjar uma casa maior!

Rita – Fazemos isso quando eu começar a trabalhar…

David – Porquê?

Rita – Para te ajudar a pagar!

David – (aproxima-se e coloca as suas mãos no pescoço dela)  Tonta. O Dinheiro não é problema não.

Rita – Tonta, não! O dinheiro é teu!

Ele cala-a com um beijo

David – é nosso. Quando agente se casou, tudo passou a ser um do outro.

Rita – David…

David – não é David! Hoje ou amanhã vamo procurar!

Rita – Pronto, tá bem. Mas fazemos o jantar hoje ou amanha?

David – Amanha. Hoje agente fica por aqui… namorando. (abraçando-a)

Rita – Então, vamos jantar?

David – Sim, me deixa só ligar ao pessoal a avisar do jantar.

Rita – mas vai ser cá em casa?

David – Sim. Há espaço.

Rita – Está bem.

Rita vai para a cozinha, preparar o jantar, enquanto David liga a todas as pessoas a convidar para o jantar do dia seguinte. Quando  ele vai ter com ela, o jantar está quase pronto.  Não ajuda em nada, pois esteve sempre a petiscar e agarrado á Rita a dar-lhe beijinhos nas orelhas. Jantam e David arruma a cozinha.
Depois daquilo, David senta-se a ver televisão enquanto Rita toma um duche. Ela acaba, veste-se e vai ter com ele. Senta-se e encosta a cabeça no peito dele.

David – Gatinha… tive uma ideia.

Rita – Diz.

David – Agente não vai comprar casa

Rita – não?

David – não. Vamos mandar construir uma só nossa.

Rita – tens a certeza?

David – sim. Assim fica o nosso ninho.

Rita – Que foleiro, David!

David – Você me ama assim. (Boceja)

Rita – Estás cansado?

David – Sim… Vamo dormir?

Rita -  Sim.

Deitam-se mas não adormecem logo. Ficam a conversar até tarde. Depois lá conseguem adormecer.
De manha, acordam cedo para preparar as coisas. Tiveram de ir ás compras. Quando chegaram ao hipermercado, o David deu alguns autógrafos e tirou umas fotografias, mas depois conseguiu fazer as comprar normalmente. Decidem almoçar no McDonalds e se seguuda vão para casa.
Dado que há crianças e adultos no jantar, Rita decide fazer pratos diferentes para as crianças. Para elas faz um bitoque (coisa que uma criança não resiste… bife com batatas fritas).
Para os adultos, a ementa é bacalhau com natas acompanhado com salada de alface.
O combinado era os convidados chegaram uma hora antes do jantar, por isso Rita preparou umas entradas para ‘enganar’ o estômago.
A bebida era variada. Havia de tudo… havia sumos, cerveja, sangria, caipirinhas, cocktails, e muito mais.
Antes dos convidados chegarem, ambos se arranjam. 

Look de Rita:                                                          Look de David:


Pouco depois, os convidados chegam e começam a petiscar. Havia muita conversa e diversão.

João – Mana, mana! Não está cá o Savi e a sua bo… linda mulher?

Rita – Não, João. Não puderam vir.

João – Ela é mesmo…

Rita – João!!! Menos! Vai masé comer.

O irmão foi, e voltou a irmã, Leonor.

Leonor – Mana, mana!

Rita – siiiiim!

Leonor – mana, está ali o Javi! Mas a Elena não. Onde é que ela foi?

Rita – Eles separaram-se…

De repente, Javi e Marisa beijam-se.

Leonor – A Marisa??!! Ela já vai ver.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Capitulo 51 – Cê estava numa de sacanagem comigo… não tem piada, não.


Antes de mais, quero agradecer pelos comentários... quero tambem dizer que se quiserem fazer criticas construtivas para melhorar a fanfic estao á vontade. Peço desculpa pelo capitulo tao pequeno, mas nao ando com tempo nem para me coçar... espero que entendam. Amanha vou tentar colocar um maior... se tiverem sorte, talvez dois.  Continuem a ler e a comentar.
Beijinhos
Diana =)


Quando acordam Rita vai tomar banho enquanto David preparava o pequeno almoço.
Ela sai do banho e vai ter com ele.

David – Cê já desfez as suas malas?
Rita – não, porquê?

David – Vamo voltar para lá…

Rita – Nem avisamos o Ruben e a Rita…

David – Eu já liguei para o Ruben, mas ele diz que vão ficar por cá, porque a Ritinha tem umas consultas e não sei quê.

Rita – (aproxima-se dele) Então vamos estar quanto tempo sozinhos?

David – Duas semanas. (abraça-a elevando-a um pouco do chão)

Rita – e a que horas é o voo?

David – daqui a duas horas. Olhe, você ontem disse que o bebé estava bem. Mas você não tinha dito que ele estava em perigo?

Rita – Sim… mas era só para te fazer sofrer, fofinho. (Ri)

David – Cê estava numa de sacanagem comigo… não tem piada, não.

Rita – Então vamo-nos despachar! (Rita vira-se para se ir sentar para comer e David dá-lhe uma valente palmada no rabo) David!!

David – não fui eu!! (disfarça e ri)

Rita – deve ter sido o vizinho. (dá-lhe um murro no braço, mas magoa-se a si própria, em vez de magoar David)

David – (Ele agarra-lhe nos braços, e prende-a… Ela ainda tenta espernear mas a força dele é 10 vezes maior que a dela) agora já não sai daqui!

Rita – Estupido!! Larga-me!


David cala-a com um beijo, mas mesmo assim, ela ainda continua a tentar soltar-se. David vê que ela não desiste, por isso, com uma mão prende os braços dela, e com a outra, pega num croissant e enfia-o na boca dela. Acaba por a largar e ela vinga-se enfiando também um croissant pela boca de David. Começam ali uma luta de comida, que acaba em muitos carinhos e brincadeiras. Depois do pequeno almoço tomado, arranjam-se e vão para aeroporto, onde apanham o avião de volta ao México.
Passam duas semanas cheias de amor e sem se largarem um do outro.
Quando voltam para Portugal, após as duas semanas, estava tudo na mesma. Faltava dizer só á família a novidade da gravidez, que com aquilo tudo, ela tinha-se esquecido de mencionar isso.

domingo, 21 de novembro de 2010

Capitulo 50 – Cê é maluca!!!!


David – Rita…

Rita – espera, deixa-me falar…

David – Sim…

Rita – David, por mais que eu tente esquecer não consigo. As imagens que eu tenho de ti lá no México com a mexicana, e pensar  que…      Foi a coisa mais nojenta que me fizeram, David.

David – mas Rita…

Rita – Calma.. Deixa-me acabar

David – Espere… mas você sabe que eu não estava em mim. Eu já falei isso para você.

Rita – Tudo bem… não estavas em ti… mais vais esquecer-te de mim sempre nessas alturas? Nós estamos casados David. Isto não pode acontecer…

David – Eu nunca me esqueço de você. Você é tudo para mim… só Deus sabe como eu me senti… Eu te amo pô.

Rita -  porque é que tornas as coisas tão difíceis? A esta hora podíamos estar na praia, a namorar… não havia necessidade de isto tudo…
David – as coisas estão muito claras, gatinha. Só preciso que você me dê uma segunda oportunidade. (Põe a mão no pescoço dela e aproxima-se)

Rita – David!!!!!  (Ri-se e afasta-se devagarinho)

David – O que foi? (á toa)

Rita – (Aproxima-se a agarra-o pelos cabelos) cê sabe que eu não resisto quando cê me chama de gatinha (imita o sotaque dele)

David – (sussurra-lhe) Gatinha… (morde-lhe a orelha) Gatinha..

Rita ri-se e afasta-se dele. Corre para a porta da sala, onde fica com ar maroto, para o picar… Começa a tirar o lenço que trás ao pescoço e atira-o para o chão. David levanta-se mas fica no mesmo sitio. Ela começa a desapertar o fecho do casaco, e já se conseguia ver o seu decote.  Tira o casaco e manda-o para o chão.

David – Não faz isso! (Morde o lábio)

Rita – se calhar é melhor vestir… (Ri-se)

David – Não não. Esteja á vontade!  (levanta e baixa as sobrancelhas)

Rita retira a blusa ficando só de soutien, na parte de cima. David começa a aproximar-se tal como Rita. Ele coloca as suas mãos quentes na cintura dela e beija-lhe o pescoço. Ela solta um pequeno suspiro.

Rita – Já estavas com saudades, tu.

David – Hum hum… shiu.. (Continua)

Rita tira-lhe o casaco e atira-o para o chão, tal como a t-shirt.  Agarra-lhe na mão e leva-o para o quarto. Quando lá chegam, Rita põe-se em cima da cama em pé e começa a desapertar as calças, mas David nem a deixa acabar e agarra-lhe nas pernas, o que a faz cair. David coloca-se em cima dela delicadamente e beija-a. As suas mãos já estavam a percorrer o corpo dela, até que acaba de desapertar os botões das calças.

David – cê é maluca! (entre beijos)

Rita – Porquê?

David – Chegou aqui e eu pensava que você queria termirar… vamo é terminar de outra maneira !! (Ri-se)

Rita – Chega de conversa. Vamos masé aproveitar.

David cala-a com um beijo intenso. Rita desaperta os botões das calças dele e passando as mãos pelo seu rabo, tira-lhe as calças. Invertem a posição e Rita fica em cima dele. David tira-lhe as calças da mesma maneira. Ele beijava-lhe o pescoço e o peito intensamente, enquanto ela passa as suas mãos pelos seus abdominais.  David tenta abrir-lhe o soutien, mas estava nervoso, por ser a primeira vez que estavam juntos depois daquela grande zanga, que não conseguia.

David – (a tentar tirar-lhe o soutien) Gatinha.. não tá a abrir.. não dá!

Rita – (Ri-se. Ambos se sentam, ficando ela ‘encaixada’ nele) Calma… eu tiro (em menos de 5 segundos já estava sem soutien)

Passam as mãos pelo corpo um do outro e ficam ambos bastante entusiasmados. Rita prepara-se para lhe tirar os boxers, quando David se lembra.

David – Rita! (Pára)

Rita – o que foi?

David – o bebé! Cê tem que descansar!! Não podemos…

Rita – Shiu… O bebé está bem! (Beija-o e voltam a deitar-se)

Tiram as peças de roupa que faltavam e fazem o que têm a fazer.  Depois de um momento intenso, Rita vai á cozinha beber água e volta para a cama abraçar-se a David. Ela pousa a sua cabeça no peito dele e ele faz-lhe festinhas na cabeça.

David – Tinha tantas saudades suas (dá lhe um beijinho na cabeça)

Rita – Olha agora a estas horas… lamechices?

David – tá bom… eu não digo mais nada

Rita – (levanta a cabeça e beija-o)  Parvinho. Podes dizer o que quiseres.

David – Eu quero que se chame Rita.

Rita – (volta a pousar a cabeça no peito dele,  e brinca com os pequenos pelos no peito) Vai ser um rapaz… o David.

David – A Esta hora eu nem vou dizer mais nada.

Rita – tas cansado? Fraquinho!!

David – Ué? A sério? Fraquinho? Vamo repetir então!

Rita – Shiu cala-te!! Vamo masé dormir ( imita o seu sotaque)

David – boa noite, gatinha. Te amo.

Rita – Eu também. Brasileiro de meia tigela.  

sábado, 13 de novembro de 2010

Capitulo 49 – Sofrer mais?

Marisa – Ritinha, acorda.

Rita – Bom dia..

Marisa – quase boa tarde. Vamos almoçar?

Rita – Sim. Bora

Marisa – vamos ali a um restaurante que eu gosto. Vou ligar a Tixa e á Rita para ver se elas querem ir.

Rita – Pois é, há tanto tempo que não estamos as duas juntas.

Marisa – vou-lhes ligar.

Levanta-se, agarra no telemóvel e liga-lhes. Ambas disseram que sim. Têm meia hora para estar no restaurante. Quando já estão preparadas, Marisa pega no seu carro e dirigem-se para o restaurante. Durante a viagem a conversa foi muito agradável, até que Marisa perguntou:

Marisa – então mas vais perdoa-lo, certo?

Rita – não sei… tenho que pensar.

Chegam ao restaurante.

Marisa – chegamos!

Rita – Não acredito!

Marisa – que é que eu fiz?

Rita – Estamos no Chimarrão… é onde eles costumam vir.

Marisa – Aiii! Desculpa!

Rita – Não te preocupes…. O David ainda está no México.

Encontraram-se com as amigas, cumprimentaram-nas e entraram. Quando se estão a dirigir para a mesa, Rita sente uma mão no seu ombro.

Javi – Hola!

Rita – Javi!!! (abraça-o) hay tanto tiempo!

Javi – Estás bien? Dónde está David?

Rita – en México…

Javi – México?

Rita – Después él os diga… Estas solo?

Javi – Si. Me separé de Elena.

Rita - en serio? Lo siento Javizinho!

Javi – Estoy bien

Rita - quieres almorzar con nosotros?

Javi - Sí, puede ser. pero no estás con tus amigas?

Rita - Sí, pero también eres mi amigo, así que no aceptan un no

Marisa fica estática a olhar para ele. Rita repara e ri-se.

Rita – Pois é… esqueci-me de vos apresentar…

Javi – (para Marisa) Hola, Soy Javi.

Marisa –Marisa. Muy placer. (dá-lhe um passou bem)

As outras já o conheciam por isso foram logo cumprimentá-lo. O almoço foi cheio de conversa, e Javi e Marisa nao paravam de rir e de se meterem um com o outro. No fim do almoço, Rita recebe uma chamada e atende.

Rita – Estou?

Ruben – Ritinha, Chegamos agora a Portugal. Estás em casa do David?

Rita – Já chegaram? Não, eu não fui para lá… fui para casa da Marisa.

Ruben – O David de certeza que vai atrás de ti.

Rita – Não lhe digas nada, Ruben!!

Ruben – Tá bem… mas não o vais perdoar?

Rita – Claro que vou… vou faze-lo sofrer um pouco…

Ruben – Sofrer mais? Coitado, ele está de rastos..

Rita – Como diz um amigo meu (referindo-se a ele) Temos pena, não é?

Ruben – vá, ele vem ai. Tinha ido á casa de banho. Vou desligar, beijinho. Fica bem.

Rita – beijinho!

Ruben – Rita Rita?

Rita – sim sim?

Ruben – diz á Rita que eu a amo.

Rita – Vou vomitar… (Ri) Está bem, eu digo!

Ruben – Xau xau.

David chega ao pé de Ruben.

David – já sabe onde ela está?

Ruben – não, ela não disse, mano… desculpa.

David – Vou ter que procurar. Vamo?

Ruben – Sim.

Cada um pega no seu carro e segue o seu caminho. Ruben vai para casa, e David vai á procura de Rita.
No restaurante:

Rita – O David chegou! Tenho que me ir embora… não quero que ele me encontre.

Ana Rita – vou ter com o Ruben (sorri)

Tixa – queres ficar em minha casa?

Rita – Sim, até porque disse ao Ruben que estava em casa da Marisa.

Tixa – Então, vamos? (preparando-se para sair)

Javi - ya?

Marisa – Ya, é tao cedo.

Rita – voces podem ficar.

Javi – Ok.

Marisa e Javi ficam no restaurante. Rita e Tixa vão para casa e Ana Rita vai ter com Ruben.
Quando chegam a casa, Rita e Tixa põem-se á vontade. Sentam-se no sofá, e Rita conta-lhe as novidades. 30 minutos depois tocam á campainha. Tixa vai abrir, era David. Rita quando o vê esconde-se na casa de banho. Por sorte, David nao a vê.

Tixa – David! Olá, Tudo bem? (cumprimentando-o com dois beijinhos na cara)

David – Oi Tixa, tá tudo bem e contigo?

Tixa – tambem está tudo. Entra.

Entram os dois e sentam-se no sofá.

Tixa – precisas de alguma coisa?

David – por acaso, cê save onde está a Rita?

Tixa – não, não sei. Desculpa.

David – Já procurei por todo o lado. Mas eu não encontro.

Tixa – David, ela contou-me…

David – Já sei. Também me vai julgar, não é?... é melhor eu ir…

Tixa – Calma. Não vás. Eu compreendo-te. Tal como a compreendo a ela.

David – cê acha que ela me vai perdoar, algum dia?

Tixa – claro que vai… tu sabes que ela te ama, não sabes?

David – Sei, e eu também a amo.

Tixa – Então vai descansar, que tudo se resolve.

David – Sim ( dirigem-se para a porta) Obrigado. (sorri ligeiramente)

Tixa – Fica bem. Beijinho.

David sai e Rita sai da casa de banho. Ela tinha ouvido tudo, e Tixa está no sofá á espera dela)

Tixa – Coitadinho, Rita!

Rita – tão querido!! +.+

Tixa – Vai atrás dele então!

Rita – Não não. Mais um bocadinho.

Tixa – que má!

Rita – Fogo, toda a gente me chama má, mas ninguém chama mau ao David!

Tixa – Oh, esquece isso…

Rita – Já passa… bem, ele já deve ter ido a casa da Marisa por isso vou lá buscar a minha mala. Ela emprestou me a chave suplente.

Tixa – Esta bem. Depois liga.

Rita – Está bem. Xau…Amo-te

Tixa – eu também!.

Rita então dirige-se a casa de Marisa. Quando lá chega, a porta está encostada. Entra rapidamente, passa pela casa de banho e apanha o javi a sair de lá todo molhado.

Rita – Javi? UPS, má altura (Tapa os olhos)

Javi – Rita? Marisa, Rita llegó. (fala para Marisa que está dentro da casa de banho)

Rita – deixem estar! Eu só vim buscar a mala. Xau. (Ri)
(agarrou na mala e foi embora)

Rita não sabia para ode ir… já estava farta de estar chateada e já estava doida para beijar David.
Decide então ir a casa dele, ou deles…
A porta do prédio estava aberta, por isso ela sobe. Respira fundo e toca á campainha. Passado um bocadinho, David abre a porta com a cara baixa, sem sequer ver a cara da pessoa.

David – Obrigado, mas não quero comprar nada. Fica com deus. Com licença. (tenta fechar a porta mas Rita trava-o. Ele repara que era Rita e fica pasmado) Rita?

Rita – Olá.

David – Hum.. cê quer entrar?

Rita – só se quiseres falar aqui.

David – Entra entra.

Ela entra e senta-se no sofá.

David – cê quer beber alguma coisa?

Rita – quero que te sentes aqui

David senta-se

David – Rita…

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Capitulo 48 – De volta a casa. (Parte II)

Rita – Não! Eu quero ir-me embora.

Ana Rita – Tens a certeza?

Rita – Sim, Rita.

Ana Rita – Não vais perdoa-lo?

Rita – Tu perdoarias?

Ana Rita – Não. Uma traição normal, não. Mas sabes muito bem que ele não estava em si. Ele ama-te muito, Ritinha.

Rita – eu sei. E vamos resolver isto… mas ele vai ter de sofrer um bocadinho.

Ana Rita – Que má!

Rita – Pois sou. Vamos?

Fazem o check out e apanham o avião para Lisboa.
No quarto de Ruben:

Ruben – que é que vais fazer agora?

David – vou para Portugal.

Ruben – de certeza?

David – Sim, não pode acabar assim.

Ruben – pois é. Não pode acabar assim

David – cê sabe que tudo o que eu quero eu corro atrás. Tudo o que eu quero agora é a Rita.

Ruben – e quando é que queres ir?

David – Agora só há voo amanha não é?

Ruben – Sim.

David – então vamos amanha. Agora eu vou dormir.

Ruben – Eu vou fazer a mala antes.

David – Sim, eu também.

Ruben – Vá, ate amanha. (acompanha-o á porta)

David – Xau.

Ruben abraça-o

Ruben – fica bem puto.

David – só vou ficar bem quando estiver com a Rita.

Ruben fecha a porta e David vai para o seu quarto. Ambos fazem as malas e adormecem.
Quando as Ritas chegam a Portugal:

Ana Rita – Queres ficar em minha casa?

Rita – Não. Lembrei-me agora de uma pessoa. Vou ter com ela.

Ana Rita – Quem?

Rita – A Marisa.

Ana Rita – Eish, pois é! Há tanto tempo que eu não a vejo.

Rita – ya, pois é. Queres vir?

Ana Rita – não. Estou bue cansada. Vou dormir. Adeus amor. Até amanha. Amo-te (abraça-a)

Rita – Eu também amor.

Ana Rita apanha um táxi para sua casa e Rita apanha um táxi para casa da Marisa. Quando lá chega, toca á campainha e Marisa abre logo.

Marisa – Não posso! Rita?!

Rita – não me vais dar um ab…

Marisa – (interrompe-a com um grande abraço) que saudades! Tas tão linda! Entra… (ambas entram e sentam-se no sofá)

Rita – Então espera ate a barriga começar a crescer.

Marisa – não! Não pode! (grita contente) Davidzinho?

Rita – pois. Davidzinho. (baixa a cara)

Marisa – qué que se passa?

Rita conta-lhe a historia, e acaba por ficar a dormir lá em casa. O dia seguinte ia ser cheio de emoções.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Capitulo 48 – De volta a casa. (Parte I)

Passam dois dias, e ela no hospital…
Estava Rita a chorar, quando entra o médico.

Médico – Bom dia, menina Rita. Como se sente?

Rita – Óptima. (mentia. Tentava sorrir enquanto limpava as lágrimas do rosto)

Médico – muito bem. Bem… (olhando para os seus diagnósticos) já está estável. Vou ligar ao seu marido para a vir buscar, e assim já pode voltar para casa, sim?

Rita – O meu marido? Não! Não. Chame antes o melhor amigo dele. (agarra num papel e numa caneta que tem na mesinha de cabeceira e escreve) Está aqui o numero e o nome. (Deu-lhe o papel, tinha escrito: Ruben Amorim – 9********.)

Medico – está bem. Pode vestir-se que vou já fazer a chamada. (vai embora e fecha a porta do quarto)

Rita tem a sua roupa ao fundo da cama. Veste-se e em menos de meia hora, chega Ruben.

Ruben – Então Ritinha? (abraça-a) Estás melhor?

Rita – Sim. Obrigada.

Chega o medico.

Medico – bem, já vi que chegou a sua boleia. Menina Rita, agora oiça com atenção. Eu sei que vai custar, mas vai ter que repousar até ao fim da gestação.

Rita – Até ao fim? Mas é tanto tempo!

Médico – eu sei, mas a hemorragia fez com que torna-se a gravidez de risco. Se voltar a acontecer, o feto pode acabar por falecer.

Ruben – Esteja descansado, nós cuidamos dela.

Rita – Obrigado doutor.

Médico – De nada. Felicidades.

Chegam á recepção do hotel.

Ruben – vá, vai para o quarto descansar.

Rita – Posso ir para o teu quarto? Eu não quero ver o David.

Ruben – Ele não está no quarto… pelo menos eu ainda não o vi desde que foste para o hospital.

Rita – a sério?

Ruben – Sim… ele não deve estar no quarto.

Rita vai para o seu quarto. Quando entra, vê David na varanda. Ele percebeu que ela entrara mas preferiu ficar quieto. Rita pegou no telemóvel e ligou a Ana Rita.

Rita – Amor.

Ana Rita – Amor! Estás melhor?

Rita – Sim… Olha vamos?

Ana Rita – Já fizeste a mala?

Rita – não, vou fazer agora. (coloca a mala em cima da mesa e começa a arrumar)

David vira-se e vai ter com ela.

David – não vá.

Rita – Rita, já te ligo… (desliga)

David – me perdoa. Fica comigo por favor.

Rita – deixa me ir embora, David.

David – cê já sabe que eu não sabia o que estava a fazer. Eu te amo. Me perdoa.

Rita – Eu perdoo…

David – eu te amo (sorri ligeiramente, e inclina-se para a beijar)

Rita – (afasta-o) … mas não esqueço.

David – não faz isso, Rita. Vamo fazer tudo outra vez… imagina que chegamos agora, e eu não largo mais você.

Rita – Não dá… Desculpa… tenho um voo para apanhar.

David – eu vou com você, então.

Rita – David, posso-te pedir uma coisa?

David – claro! Tudo.

Rita – dá-me tempo, por favor.

David – tá bom. Eu dou.

Rita acaba de fazer a mala enquanto David a observa. Ela pousa a mala ao pé da porta, agarra a sua mala pessoal e prepara-se para sair.

David – Rita?

Rita – Até qualquer dia…

David – (aproxima-se dela, ficando a poucos milímetros da sua boca) Posso te pedir mais uma coisinha?

Rita – Sim. (já tinha o queixo a tremer… precisava de chorar mas queria parecer forte)

David – me beija.

Rita – David… não.

Ele aproxima-se mais e ela fraqueja. Devagar foram aproximando os lábios até que se encontraram.

David – (Sem tirar os lábios dos lábios dela) me beija. Pode ser a ultima vez.

Ambos dão um longo beijo apaixonado, mas com algumas lágrimas pelo meio, tanto de Rita como de David.

David – (sela o beijo com outro beijo leve) Agora cê pode ir. E é bom que saiba que eu não vou desistir de você.

Rita – adeus David. (abre a porta, com as malas na mão e fica estática a olhar para ele)

David corre para a sua direcção ao mesmo tempo que Rita pousa as malas no chão e fecha a porta. David encosta-a á parede e beija-a.

David – fica comigo. Nem que seja só mais um bocadinho.

Entram então numa fogosa troca de beijos, que dura uns longos minutos. De repente o telemóvel de Rita toca. Era Ana Rita. Rita desvia-se de David e vai atender.

Rita – (ofegante) estou?

Ana Rita – Estás pron… qué que tens?

Rita – nada. Sim… estou pronta. Vamos? (Rita olha para ele e baixa a cara, ele repete o gesto)

Ana Rita – até já. Vou ter ai á porta do teu quarto.

Rita – Ok (desliga)

Rita volta a olhar para ele, e vê que estava a chorar. Ela vai lá e abraça-o. Agarra nas malas e sai do quarto. David senta-se na cama e chora. Perdera tudo o que mais queria… a Rita e o filho.
Rita quando sai do quarto, é logo agarrada por Ana Rita.

Ana Rita – estás melhor?

Rita – Sim. Estou bem. O Ruben?

Ana Rita – está no quarto.

David sai do quarto com os olhos inchados de chorar. Está a falar ao telemóvel. Ouve-se: Sim, manz… vou ai ter com você agora. Me deixa só ir ao bar comer qualquer coisa. Até já.

David – (passa por elas ) Oi Ana. (e vai ao bar)

Ana Rita – Tavas no quarto com ele?

Rita – Sim… ligas-te mesmo na hora H!

Ana Rita – Aiiii, liguei em má altura?

Rita – Muito boa altura!

Ana Rita – (já caminhando para a recepção para fazer o check out) Então? Que que estavam a fazer?

Rita – Estavamos…

Ana Rita – (interrompe) ESTAVAM NO COISO?!

Rita – não! Estávamos só a conversar! (disse ‘conversar’ com um tom diferente e um pouco aborrecido)

Ana Rita – NÃO POSSO! Ele beijou-te?

Rita – Sim… MUITOOO!!

Ana Rita – (chegaram á recepção) ENTÃO VAMOS VOLTAR PARA TRÁS!

Rita – não vamos nada! Quero-me ir embora!

sábado, 6 de novembro de 2010

Capitulo 47 – A culpa é minha. (parte II)

Ana Rita – Como é que não lhe vais contar? É o vosso filho, Rita!

Rita – Depois talvez eu lhe conte. Mas vou deixa-lo sofrer.

Medico – Desculpem interromper, mas a D. Rita precisa de repouso. Já lhe foram injectados uns calmantes. Vai dormir um pouco, está bem?

Rita – Obrigado doutor.

Ana Rita – Só uma coisinha.. eu não lhe vou mentir.

Rita – não mintas… apenas não lhe digas nada.

Ana Rita – Está bem… então vá, até já. (dá-lhe um beijo na testa) Amo-te.

Rita – Obrigado, amor. Eu também.

Ana Rita abandona o quarto e dirige-se á sala de espera. Quando lá chega David levanta-se logo para saber como Rita estava.

David – como é que ela está?

Ana Rita – (sem o olhar na cara) Bem.

David – E o bebé?

Rita não lhe responde e vai ter com Ruben. Ele abraça-se a ela e David fica especado no meio da sala. Ele queria ir ver a mulher, por isso, quando o segurança estava distraído, ele entrou e procurou pelo quarto. No fundo do corredor lá o encontrou.
Quando entrou, viu Rita a dormir na cama da ponta. Reparou que estava ligada a soro. Ficou preocupado. Apesar de saber que ela estava bem, queria saber como o filho estava. Sentou se no cadeirão ao lado da sua cama. Rita não estava a dormir, apesar de estar com os olhos fechados, para que não tivesse que o enfrentar. David agarrou na sua mão, pousou a cabeça no seu braço, e chorava.

David – Por favor, Deus. Me ajuda!

Rita estava a ouvir tudo. Deixa cair uma lágrima.

David – Ritinha, me perdoa. Eu não sabia! Eu te amo. Por favor, não faz isso para mim (implora, chorando)

Depois de um grande discurso e de muito choro, acaba por adormecer.
o medico conforta Ana Rita e Ruben por isso voltam para o hotel. Passado umas horas David acorda. Rita ainda dormia, David levanta a sua cabeça, olha para ela e beija-a levemente.
Ela estava a dormir, mas era impossível não sentir os lábios de David.
Acorda e vê David ao seu lado.

Rita – Que é que estás aqui a fazer, David?

David – eu queria te…

Rita – Sai… (interrompe-o)

David – não faz isso Rita. Por favor.

Rita – David.. sai por favor.

David – me diz só uma coisa. Como está o nosso filho?

Rita – O nosso filho está em risco. Pode morrer. Por tua causa. (fria)

David – (chora) me perdoa Rita. Por favor. Eu te amo.

Rita – (começa a chorar) Sai…

David beija a testa dela e vai embora, chorando. Rita também chora. Ela amava-o muito e só queria ficar bem com ele, mas não esquecera as imagens dele com a outra. Não conseguia parar de pensar em como o David foi capaz de estar com outra mulher, senão ela.
David sai do hospital a chorar e não sabe para onde ir. Não queria ir para o hotel por isso foi ara a praia. Quando lá chegou, estava vazia. Sentou-se na areia, apoiou os braços nos joelhos e a cabeça nos braços. Naquele momento só lhe apetecia morrer. A dor psicológica era 1000 vezes pior que qualquer dor física.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Capitulo 47 – A culpa é minha. (parte I)

Chegam ao hospital, o Ruben corre com Rita ao colo, em direcção ás urgências. Assim que chega, grita:

Ruben – ajuda! Está aqui uma grávida a perder sangue!

Rapidamente vêm os enfermeiros com uma maca onde colocam Rita, ainda desmaiada. Enquanto empurravam a maca, perguntaram qual era a pessoa que a ia acompanhar lá dentro. David imediatamente dá um passo á frente.

David – Vou eu!

Ana Rita agarra-o.

Ana Rita – nem penses! Não é a ti que ela quer ver quando acordar.

Ana Rita entra com a amiga. As portas fecham-se á frente dos seus olhos. O sofrimento era visível nos mesmos.

Ruben – vem te sentar.

Ambos se sentam

Ruben – Ouve, tu és o meu melhor amigo, eu conheço-te melhor que ninguém…

David – Ruben, eu não fiz de propósito. Eu amo aquela mulher. A única coisa que eu sei é que era incapaz de a trair. Cê sabe que eu não estou habituado a beber. Não tou lembrando de nada, Ruben. Eu pensei que ia ser o melhor dia da minha vida. Tornou-se o pior. (baixa a cabeça e coloca as suas mãos nela)

Ruben – Eu compreendo a tua parte. Mas também tens que compreender a parte dela. Se a Ana me fizesse isso eu não a perdoaria. Mas talvez a Rita te perdoe… agora tens é que te preocupar com o teu filho.

David – Eu sei… e e há alguma coisa que eu queria neste momento é que o meu filho esteja bem.

Ruben – não te preocupes… vai correr tudo bem.

Lá dentro decorria uma ecografia. Rita tinha acordado uns momentos antes.

Rita – só quero que o meu bebé esteja bem…

Médico – (teve sorte… o médico era português) não se preocupe. O bebé está estável. Estas hemorragias acontecem por vezes. Foi falso alarme.

Ana Rita – Graças a Deus! O David não se perdoariam se acontecesse alguma coisa, amor.

Rita – pois é. É por isso mesmo que eu não lhe vou contar nada.

Ana Rita – Não vais…? Como assim?

Rita – Eu vou deixá-lo a pensar que o nosso bebé está em risco por culpa dele.

Ana Rita – O quê? Não faças isso!

Rita – e o que ele me fez? Ele por acaso pensou no filho quando se enrolou com a outra?

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Capitulo 46 – O David o quê? (parte II)

Ruben chega ao seu quarto e deu claramente para ver pela cara dele que nao estava bem disposto. A Rita como é obviu, nao parara de chorar. Ana Rita tentava acalma-la, mas nada…

Ruben – Anda cá (Chama Rita para ao pé de si e abraça-a) O David é o meu melhor amigo. Eu tenho a certeza que há uma explicaçao para isto tudo.

Rita – (soluçando) Nao há desculpa para isto, Ruben. Nao há…

Ruben – Calma, calma! (aperta mais um pouco o abraço) nós conhecemos o David, ele nao é assim.

Rita – Tu viste o que eu vi… ele dormiu coma quela gaja.

Ana Rita – Calma. Primeiro tens que te acalmar e depois tens que falar com ele.

Rita – nao quero falar com ele!

-Batem á porta:

David – Sou eu. Abra a porta!

Rita – nao, nao! Eu nao quero olhar para a cara dele…

Ruben – Eu vou lá. Vai para a varanda com a Ana (beija rápido a noiva e vai abrir a porta)

Quando abre a porta, empurra David para fora e fecha a porta, atrás de si.

David – qué que se passa, mano? Eu tou preocupado! Cadê a Rita?

Ruben – Eu não acredito no que fizeste. (começa a ficar com os olhos vermelhos) és o meu melhor amigo… tu não és assim!

David – assim como, Ruben? O que é que eu fiz?

Ruben – O que é que tu fizeste? Eu digo-te o que tu fizeste. Tu ontem andaste aos beijos com uma mexicana qualquer no bar!

David – NÃO! Eu nunca iria fazer isso para a Rita!

Ruben – Todos nós vimos, David. Estavas podre de bêbado.

David – Pois estava! Eu não tou lembrando de nada. Eu tenho que ir falar com a Rita. (prepara-se para voltar a bater á porta, mas Ruben trava-o)

Ruben – Calma, eu ainda não acabei…

David – Há mais?

Ruben – Hoje de manhã, a Rita foi ao vosso quarto para fazer as malas e ir para Portugal…

David – O que?! Eu não vou deixar!

Ruben – Foda-se, cala-te! Deixa-me acabar… Ela hoje foi lá, e como deves ter reparado, estavas nu!

David – Sim…

Ruben – Também estava lá a tal gaja. Eu é que a expulsei… até foi nua para a rua.

David – Não pode, manz… não pode (começa a chorar)

Ruben – pode, pode! Por isso, deixa a Rita pensar…

David – Eu tenho que falar com ela. Cê sabe que eu não sou assim! Eu amo a Rita, amo muito! Pô, eu vou ser pai!!

Ruben – Que se lixe… vá, vai lá (abre a porta para David, mas agarra-o pelo braço antes de ele entrar) Tem cuidado. Ela está a sofrer muito.

David – Eu não a posso perder… vou fazer de tudo para que isso não aconteça.

David entra, vê logo a Rita na varanda. Ana Rita repara antes de Rita.

Ana Rita – O David vem ai!

Rita – O David o quê?

David corre para onde Rita está e vê o estado dela. Quando ela o vê, levanta-se e fica em choque.

David – Meu amor, eu tenho que falar com você! (chora)

Rita – (respira fundo, pára de chorar e dá-lhe uma forte chapada) não me chames amor. Vou me embora.

Ela corre para o quarto, mas no caminho, David agarra-a pelo braço.

David – Rita, cê sabe que eu te amo. Eu não estava em mim!

Rita - Metes-me nojo! Larga-me! (sacode o braço para David a largar)

Chega ao quarto, coloca a mala em cima da cama e começa a arrumar a roupa. O David chega atrás dela.

David – Por favor! Deixa eu falar para você! Eu estava bêbado! Não lembro de nada, eu juro. (sempre a chorar)

Rita – (mete as mãos á cabeça e retira-as rapidamente. inevitavelmente, começa chorar) Pára! PÁRA! Eu vi David! Tavas na cama com ela!!

David – (aproxima-se) Eu não me lembro! Cê acha que eu era capaz de fazer isso para você?

Rita – Não, David. Não acho. Mas foi o que aconteceu. Sempre que apanhas uma bezana vais andar a dar quecas a torto e a direito com a primeira que te aparecer á frente?!

David – (baixa a cara) Rita…

Rita – sai… SAI!! (aponta para a porta)

David – (aproxima-se mais dela ) Eu te amo, não faz isso para mim.

David aproxima-se mais e mais. Coloca as mãos no pescoço de Rita. Ambos a chorar, David beija-a. Ela empurra-o e afasta-o de si.

Rita – David, a sério… Sai.

De repente, dá-lhe uma dor forte na barriga, ela cai para o chão e o sangue começa a escorrer-lhe pelas pernas.

David – Rita??!!

Ela acaba por desmaiar. Ele agarra-se a ela e grita por Ruben e Ana. Depressa chegam para ver o que se passava.

David – (chora agarrado a ela) Eu não sei o que se passa!! A culpa foi minha.

Ana Rita – Ó meu deus! (chora)

Ruben – Temos que a levar para o hospital! (pega em Rita ao colo e corre para o carro)

David e Rita vão atrás dele. David tinha as mãos com sangue dela, e não conseguia parar de as olhar. Não parava de chorar, sabia que a culpa daquilo era dele. Foram atrás de Ruben para o hospital.

Obrigado =)

OLÁÁÁ A TODOS! Bem, quero agradecer-vos pelos comentários e por seguirem a história.
Nao estava nada á espera que gostassem tanto. Muito, muito, muito obrigado por me fazerem sentir bem.

Beijinhos (L)

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Capitulo 46 – O David o quê? (parte I)

(Antes de mais, queria agradecer á minha irmã Leonor por me ter ajudado neste capitulo.)

Depois do jantar, os amigos decidiram festejar. Por isso foram beber uns copos. Os dois amigos (Ruben e David) já estavam bastante “alegres”, já não diziam coisa com coisa.
As ‘Ritas’ também estavam alegres, mas não tanto. Elas estão um bocado afastadas dos rapazes, mas nem se importam, só se querem divertir. Vão á casa de banho e Ruben aproveita para fazer o mesmo também. Quando saem, deparam-se com uma imagem lamentável.

Ana Rita – Eu não acredito no que estou a ver!

Ruben – O gajo passou-se!

Rita – Eu… eu vou… é melhor eu ir embora. (chora)

As ‘Ritas’ correm para o quarto (o de Ruben, pois Rita não quer enfrentar David, caso ele chegue). Passado 10 minutos, chega Ruben. Rita estava sentada no chão a chorar e Ana Rita estava a andar de um lado para o outro a pensar no que há-de fazer.

Ruben – (agacha-se e abraça Rita) Calma miúda.

Ana Rita – Onde é que ele está?

Ruben – (levanta-se) Está no bar. Não o consegui tirar de lá. (passa a mão pela cara) Foda-se…

Rita – Amanha vou para Portugal. (entre soluços) Como é que ele foi capaz?! Estamos em lua de mel! Eu acabo de saber que estou grávida, e ele trai-me? Ele estava aos beijos com uma gaja qualquer! Como é que é possível? (Chora)

Ana Rita – calma, meu amor. Eu amanha vou contigo. Importas-te amor? (para Ruben)

Ruben – Não. Eu depois vou com o David, no voo a seguir a vocês.

Ana Rita – Está bem.

Ruben – Então vá, Ana, Dá-me aí um lençol e uma almofada que eu hoje durmo no sofá.

Rita – NEM PENSES! Dormes na cama com ela. Eu durmo no sofá, quero ficar sozinha.

Ruben – Tens a certeza, querida?

Rita – Sim. Obrigado.

Ruben – Está bem (dá-lhe um beijinho na testa)

Ana Rita arranja o lençol e a almofada para Rita. Ambos lhe dão um beijinho e um abraço e vão-se deitar.
Foi difícil de adormecer naquela noite. As imagens não lhe saem da cabeça. Após muito choro, lá consegue adormecer.
De manha, Rita acorda com os primeiros raios de sol que se atravessam pela janela. Levanta-se, veste-se passa a cara por água, e vai para a varanda. Senta-se no cadeirão a olhar para o mar. Ana Rita acorda e vai ter com ela.

Ana Rita – Bom dia, amor. ( dá-lhe um beijinho na testa)

Rita – Bom dia.

Ana Rita – Tens fome?

Rita – Não, olha a esta hora o David ainda deve estar a dormir. Vou aproveitar para fazer as malas. Tão cedo ele não acorda por isso não tenho que falar com ele.

Ana Rita – Queres que eu vá contigo?

Rita – Eu prefiro ir sozinha. (levanta-se) até já.

Ana Rita – Força, amor.

Rita acena-lhe com a cabeça. Sai do quarto e dirige-se ao seu. As lágrimas já lhe caiam pela cara. Chega á porta e repara que está encostada. Abre a porta e vê David a dormir, nu. Só o lençol lhe tapava a parte de baixo. Ela encosta-se á porta e chora. De repente ouve uma voz.

Rapariga – Hola. Quién es usted?
Aparece uma rapariga da casa de banho. Apenas embrulhada num lençol.

Rita – não acredito. (pasmada, coloca a mão á frente da boca)

Rita olha para David, sai do quarto, bate com a porta e chora.

No quarto de Ruben:

Ruben já tinha acordado.

Ruben – o que é que foi isto? (em relação ao barulho da porta a bater)

Ana Rita – Não pode ser bom.

Correm para saber o que se passou. Vêem Rita a chorar no chão. Ana Rita levanta-a e leva-a para o quarto. Ruben percebe que foi o David. Abre a porta e depara-se com a tal imagem que Rita tinha acabado de assistir.

Rapariga - Tú también?

Ruben pega na roupa da rapariga e manda-a porta fora para o chão do corredor no hotel.

Ruben – Rua!!! BAZA, CARALHO!!!

A rapariga assustada vai-se embora.
Ruben estava super irritado com o amigo. Olha para ele que estava deitado na cama a dormir. Vai buscar uma garrafa de litro de agua fresca, que estava no frigorifico e despeja-a na cara de David. Ele acorda.

David – FONIX manz. Qué isso?

Ruben – O que é que tu foste fazer… Foda-se.. (desiludido)

David – Qué que cê tá falando? Cadê a Rita?

Ruben – A Rita? Só agora é que te preocupas? Foda-se eu não acredito no que fizeste, caralho! Tu não és o David!

David – Porque é que cê tá falando assim? Não tou entendendo nada pô.

Ruben – Opá, vai tomar banho, veste-te… vê se te lembras do que fizeste ontem… eu vou apanhar ar.

Sai, bate a porta e volta para o seu quarto.
David levanta-se. Estava preocupado. Toma banho, tenta lembrar-se do que aconteceu, mas nada…

sábado, 30 de outubro de 2010

Capitulo 45 – Eu não estou doente, estou grávida!

depois de darem os beijinhos e abraços, Ana Rita e Ruben acabam por ir para o seu quarto. Rita acompanha-os á porta e David fica ao pé da varanda a andar de um lado para o outro sorrindo… MUITO, com as mãos na cabeça. Rita fecha a porta, olha para o marido e ri-se.

David – Ahhhh! (corre para ela e abraça-a com muita força) Eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amooooooo!!!

Rita – Sim David!! Já percebi! (Ri-se) Tu sabes que o sentimento é mutuo.

Ambos se deitaram na cama. David tira-lhe a camisola mas sem segundas intenções. Faz festinhas e dá beijinhos na barriga dela.

David – (com a cabeça na barriga dela) Ritinha, você vai ser linda como a mamãe.

Rita – Ritinha? Não não! Davidjizinho!! Vais ter que começar a dar muitos pontapés para seres jogador como o pai.

David – Eu quero uma menina! Linda que nem você.

Rita – Eu quero um rapaz. Cheio de caracóis como o pai.

David – cê se lembra das nossas juras no dia em que eu pedi você em casamento?

Rita – não (goza) Acho que tens que me lembrar!

David – Então, ficar junto com você para sempre, o montão de filhinhos correndo pela casa, ficar velhinho junto de você, ver crescer os filhos, ter netinhos…

Rita – claro que me lembro. Estava a brincar. (passa a mão pelo rosto dele)

David – já tem pernas para andar.

Rita – Sempre teve, meu amor.

David – Eu não consigo parar de dizer para você que eu te amo, Eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amo! (agora entre beijos)

No meio de tantos beijos e carícias, acabam por se entusiasmar e fazem amor. Depois Rita adormece, David não. Fica acordado a vê-la dormir. A reparar e a tocar em cada traço da cara dela, em cada curva, cada vez se sentia mais apaixonado, e aquelas juras não eram em vão nem de boca para fora, era o que ele sonhava para o casal. E tinha a certeza que Rita queria o mesmo. Agora só queria que a barriga dela começasse a crescer bem depressa para poder sentir o filho.
Vai tomar um duche, entretanto Rita acorda e junta-se a ele.

Durante o banho:

David - cê não acha que a barriga já está crescendo? (com a mão na barriga dela)

Rita – (ri-se) Achas? És mesmo totó!

David – agora você tem que se alimentar bem! E eu também.. (coça os caracóis)

Rita – Estás cheio de fome, não estás?

David – Cheiíssimo! (enxaguando o cabelo) é o que você me faz. (coloca o chuveiro por cima da cabeça de Rita)

Ele sai, embrulha uma toalha á cintura. Rita também sai e embrulha-se numa toalha. Vão para o quarto, vestem-se e arranjam-se durante uma troca de carinhos.
Depois de prontos, dirigem-se ao restaurante da noite anterior, desta vez para almoçar. Quando lá chegam, avistam Ana Rita e Ruben numa mesa no centro e decidem juntar-se a eles.

Ruben – pá, vamos pedir já champanhe!

Ana Rita – tem lá calma, tigre. Fica para o fim.

Ruben – tu sabes que eu não gosto de esperar, bebé! (beija-lhe o pescoço)

Ana Rita – Eu sei! A minha barriga é a prova disso!

Rita – isto é só grávidas agora!

David – grávidas lindas!!!!

Ruben – são, não são, mano? (orgulhoso)

David – Mesmo!

Ana Rita – hey hey hey, parem lá com isso se faz favor.

Rita – Vamos pedir?

Ruben – já lhe está a dar a fome!

Rita – cala-te!

Chega o empregado.

Sr. Empregado - ya ha elegido?

Ruben – eu e a Ana queremos lasanha!

Rita – Eu quero um bife, com batatas fritas.

David – nem pense! Nós vamos querer peixe grelhado com batatas. Tem que se começar a alimentar bem!

Rita – David! Eu nao estou doente, estou gravida! Traga-me o bife (dá a ementa ao empregado) Gracias.

o empregado vai embora, e David fica a olhar para ela com uma cara séria.

Rita – que é que foi?

David – Tem que se alimentar bem!

Rita – nao queres que eu morra á fome …

David – mas eu nao quero que…

Rita – cala-te e come. (enfia uma fatia de pão com manteiga pela boca de David, nao deixando que dissesse mais alguma coisa)

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Capitulo 44 – The best gift ever

David é quem lhe abre a porta.

David – Oi Rita. Ia mesmo agora… (olha para o que ela tem na mão) isso é o que eu estou pensando?

Ana Rita – Sim. É um teste de gravidez.

David – Então vou ficar.

Ana Rita – Queres que vá chamar o Ruben?

David – sim. Eu… vou.. lá dentro. (atrapalhado e nervoso)… pronto, até já.

Ana Rita – calma. Até já.

David entra e vai abraçar-se a Rita que está sentada no sofá a ver televisão.

Rita – qué que se passa?

David – Não diga nada. (olha-a nos olhos e deixa cair uma lágrima)

Rita – David?

David – Eu te amo. (beija-a)

Batem á porta, David recompõe-se e vai abrir. Entra Ana Rita e Ruben com a cara muito séria. Ana Rita traz a caixa com o teste atrás das costas.

Rita – Credo, que caras! O que é que se passa?

Ana Rita – Toma. (vai para o lado dela e dá-lhe o teste)

Rita – mas isto é…

David – Sim, meu amor. (agarra-lhe na mão)

Rita – Tens a certeza? (já a chorar um pouco)

David – Sim.

Rita levanta-se, beija David e vai para a casa de banho. Ruben abraça o amigo e depois David senta-se no chão á porta da casa de banho.

Ana Rita – Faz o teste e depois vem para cá para vermos todos o resultado.

Rita – se não te importas eu gostava de o ver primeiro.

Ana Rita – Eu percebo

David – Gatinha? (batendo na porta)

Rita – Sim?

David – cê sabe, não sabe?

Rita – Sim, sei. Eu também.

Passam 5 minutos e de repente ouve-se um choro. Já estavam todos impacientes a andar de um lado para o outro. Rita abre a porta, com aquilo na mão.

David – Diga logo!

Rita chora de felicidade e agarra-se a ele. Ele nem tinha visto o resultado, mas percebera pela cara dela, qual era. Roda-a no ar e beija-a.

Ruben – Mas o que é que quer dizer?

Ana Rita – (agarra-se a ele) Que vamos ser tios!

Ruben – YES!!!!! (beija-a e vai dar um beijinho e um abraço aos amigos)

David – Te amo gatinha!

Rita – Também te amo meu brasileirinho (imita o seu sotaque)

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Capitulo 43 – Não vêm trazer mais comida? (parte II)

David – Qué? (intrigado)

Rita – Calem-se pá!

David – mas até que nem era má ideia… (dá um beijinho no pescoço de Rita)

Rita – agora já queres beijinhos hein! (agarra na cara dele, virando os lábios dele contra os seus)

Ruben – deixem-se de poucas vergonhas se faz favor. Estamos num avião publico!!

David – se cala vai!!

Passado as tais horas de voo, chegam ao México.
chegam ao hotel e aos seus respectivos quartos cada casal pede o room service e passam a tarde no quarto a namorar. Á hora do jantar, encontram-se os 4 no restaurante mais próximo. Estavam todos vestidos muito bem. Chegam, sentam-se e fazem os seus pedidos. Tudo estava a correr bem até quando Rita põe o guardanapo á frente da boca.

David – Amor, cê está bem?

Rita - não me estou a sentir muito bem. (corre para a casa de banho)

David pousa o guardanapo que tem no colo, na mesa, e corre para a casa de banho atrás de Rita. Quando David lá chega ela tinha acabado de vomitar. Mal se levanta, tem uma quebra de tensão e desmaia. David consegue agarrá-la antes que caia para o chão.

David – Rita?! RITA?! Preocupado. RUBEN VEM CÁ, RÁPIDO! (grita para a mesa onde estavam sentados)

Tanto Ruben como Rita vão a correr para a casa de banho.
Quando chegam lá, David está sentado no chão, com Rita ao colo.

Ruben – Então mano? Que que se passa?

David – não sei mano. Me ajuda. Ela vomitou e depois desmaiou nos meus braços.

Ana Rita – deve ter sido uma quebre de tensão. (dá uma cotovelada ao Ruben e sussurra: Eu não te disse? Davidjizinho!) Olha levanta-a.

David levanta-se e levanta-a também. Quando Rita levanta a cabeça abre um bocadinho os olhos.

David – Ritinha? Acorda meu amor!

Ruben – Leva-a para o quarto.

David pega nela ao colo, e leva-a para o quarto. Ruben e Rita acabam o seu jantar e também se dirigem para o quarto. Antes de chegarem ao seu quarto (que fica ao lado do quarto do outro casal) Rita passa pelo quarto de David.

David – Sim?

Ana Rita – como é que ela está?

Rita – ESTOU BEM! (grita do sofá)

David - cê ouviu? (ri)

Ana Rita – (entrando) olha, amanha de manha, depois do pequeno almoço, enquanto eles forem fazer jogging eu venho aqui ter contigo com um presente.

Rita – Presente?

Ana Rita – Siiiim! (saindo) até amanhã.

David – até amanha.

O resto da noite foi calmo, e Rita não teve mais nenhum enjoo nem mais nenhuma quebra de tensão.
Na manhã seguinte, como prometido lá estava Rita com o tal presente.